Olá!

Se você gosta de música, contos de fadas, enredos que se desenvolvem em meio a guerra e edições lindas de livros, você com certeza encontrou a dica certa para uma leitura que tem tudo para ganhar você e seu amor. ECOS*, de Pam Muñoz Ryan (livro vencedor do prêmio Newbery Honor Book*),  lançado pela Editora Darkside é o livro da vez.

Seu destino ainda não está selado./ Até na mais sombria noite/ Uma estrela brilhará,/ um sino soará,/ um caminho será revelado.

Ecos é um conto de fadas moderno, que se utiliza de uma narrativa simples, mas muito criativa e elegante, para contar histórias de crianças que passam seus dias em meio ao caos da guerra, vendo todas as regras impostas pelos grandes governantes. Elas vivem em meio ao preconceito, a violência, a desigualdade, aos julgamentos e as dificuldades de vida, comum às pessoas de classes não privilegiadas. Elas têm uma infância dura, mas são salvas pelo amor que os unem a seus familiares e pela generosidade e pureza que carregam em suas almas. Mas além de terem histórias de vidas em que a irmandade, a fraternidade, o amor e a cumplicidade contribuem com a sobrevivência e paz em seus lares, há mais uma coisa comum entre eles: a música. 

A música que sai de uma gaita marcada por uma letra misteriosa é o que os mantêm vivos e dispostos a passar por todas as adversidades que enfrentam. Mas essa não é uma simples gaita, ela tem uma característica especial, que existe desde quando três princesas foram aprisionadas por uma bruxa. E a história dessas princesas, que também enfrentam uma guerra em suas vidas dá início ao "Era uma vez..." em Ecos, que além de emocionar tem uma forte capacidade de surpreender o leitor. 
"Música é uma linguagem universal. Uma espécie de religião universal. Com certeza é a minha religião. A música supera todas as distinções entre as pessoas." (Parte I, 61)
A narrativa de Pam Muñoz é excelente e cheia de referências a fatos históricos e citações a grandes nomes da política.  Ecos nos apresenta a quatro contos: ao conto das princesas, que dá início a tudo; ao do menino Friedrich e sua imagem incomum; ao dos irmãos Mike e Flannery, que vivem num internato; e ao de Ivy Maria, que vive se mudando com os pais em busca de oportunidade de emprego. Pelas genéricas descrições já é possível ter uma ideia de que todas as coisas pelas quais os personagens passam não foge à realidade de muitas crianças. 

A cada conto somos levados a um contexto e a um ambiente diferente, mas sempre num período de guerra. Como você acha que era a vida de uma criança com um rosto deformado, de família judia, na gestão de Hitler? Você consegue imaginar-se vivendo num internato com uma administração corrupta, sendo obrigado a trabalhar  e correndo o risco de se separar de seu irmão? Ou será fácil imaginar uma garota carente de amizades pelo fato de estar sempre se mudando com os pais, que estão em busca de emprego para o sustento da família, com medo de receber uma notícia ruim de seu filho ma guerra?
Friedrich estava com uma sensação estranha no estômago, igual a que sentia logo antes de alguém lhe bater no pátio da escola. Perguntas vagaram em sua mente: seu rosto era um crime? Ele não era nada mais que sua macha e uma doença que nem tinha mais? O que lhe aconteceria se os nazistas os considerassem medonho demais?" (Parte I, 71)
Não acredito que seja necessário descrever as sensações que tive durante a leitura desse livro, prefiro apontar razões para que o leitor se interesse e queira descobrir as surpresas de cada história que indico. Mas me senti na necessidade de dizer o quanto fiquei tocado e reflexivo com a leitura de Ecos. Eu amo crianças, então acredito que a presença desses personagens tem forte influência para os meus sentimentos perante o livro. Mas se não fosse a competência da narrativa, talvez nada disso existisse. 


Na vida tudo o que planejamos para nosso futuro dá certo? Talvez você diga que não. E também você concorde com a ideia de que existe a possibilidade de dar certo também. Finais felizes existem, isso depende muio da perspectiva de cada um. Em Ecos, somos dados a duas perspectivas: a que dá certo e a que não dá. As duas possibilidades estão presentes na história como um tempo, através de um artifício criativo, que se faz surpreendente e revelador. 

Ecos não se restringe aos adultos ou as crianças. A linguagem é acessível aos dois públicos, não subestima o entendimento dos leitores mais jovens, nem diminui o leitor mais experiente. A capa do livro tem uma arte linda, a diagramação não deixa a desejar, mas o mais bonito da história é a premissa que nos envolve, especialmente, num sentimento de compaixão e sensibilidade para lidar com a realidade de vida e os desejos das pessoas ao nosso redor. Leiam, vivam esse encanto. 
Newbery Honor Book é um prêmio literário concedido anualmente para o autor de maior contribuição à literatura infantil americana. ** O significado de Ecos se faz uma grande metáfora nessa história. Quão longe um Eco pode levar sua voz e te aproximar de alguém?
EU GOSTARIA DE PRESENTEAR UM DE VOCÊS com esse livro.

Se você ainda não conhece o instagram do Blog, acesse www.instagram.com/vidaeletras e participe do sorteio valendo 1 exemplar de ECOS, da amada DARKLOVE

Bjux, 











Kazuo Ishiguro ganhou o prêmio Nobel de Literatura 2017 no último dia 05 de outubro, por isso o Blog Vida & Letras, em parceria com a Editora Companhia das Letras, quer presentear um leitor para ler "Não me abandone jamais", um de seus livros de maior sucesso, adaptado para o cinema em 2010. No Brasil, o livro foi publicado pela primeira vez no ano de 2005 e e teve sua segunda edição em 2016, pela editora. 


Saiba um pouco mais sobre o livro e participe do sorteio.


★★★

Quando terminei a leitura de "Não me abandone jamais" fui dominado por uma onda de emoção e perplexidade inexplicável. Não foi fácil escrever ou falar sobre essa história que possui uma narrativa capaz de quebrar tabus e conceitos já estabelecidos, encravados na mente humana. Mas isso é feito de maneira sutil, por vezes poética e saudosista.

Uma narrativa que parte da simplicidade para a genialidade. O leitor vai crescendo com a personagem até que finalmente cheguem ao ápice da emoção e comoção juntos.


SOBRE A HISTÓRIA

Narrado em primeira pessoa, "Não me abandone jamais" nos apresenta a história de Kathy, "cuidadora" há onze anos, agora se preparando para ser "doadora". Com 31 anos de idade ela começa a refletir sobre as coisas que viveu durante toda sua vida até agora. A mulher vai nos apresentar aos seus amigos de infância, Tommy e Ruth, e a famosa Hailsham, um colégio do interior da Inglaterra onde estudaram. Lá eles viveram grandes aventuras e experiências, conheceram também os sentimentos de amor e  amizade, e descobriram que naquele lugar onde viviam havia mais segredos do que eles poderiam imaginar. Há algo diferente nas crianças de Hailsham: eles já nasceram com seus destinos traçados; irão apenas crescer para serem cuidadores e doadores. Não alcançarão nem mesmo a meia idade. Mas o que é ser um doador? O que é ser um cuidador? Esses são algumas das questões que vamos entender na história

REGRAS

Se você gostou do que leu e está curioso para ler o livro, fique atento às regras do sorteio e boa sorte!

★ Siga todas as regras obrigatórias, que estão no Reflecopter, e/ou as opções extras (caso ache pertinente). As regras são simples, mas necessárias;
★ Em seguida, comente "Estou participando" + seu e-mail nos comentários dessa postagem. 
★ O resultado do sorteio no dia 01 de novembro, na aba "PROMOÇÕES", no Menu do Blog.
O livro será enviado pela editora com o prazo de até 60 dias, após o recebimento do endereço do (a) ganhador (a).
★ O ganhador tem o prazo de 48 horas para responder ao e-mail, caso não o faça será feito outro sorteio.

Kazuo Ishiguro nasceu em Nagasaki, no Japão, em 1954,e mudou-se para a Inglaterra aos cinco anos.É autor de sete livros traduzidos em mais de quarenta países, entre eles Os Vestígios do dia, vencedor do Booker Prize em 1989, e O gigante enterrado, ambos publicados pela companhia das letras. Não me abandone jamais foi finalista do prêmio Man Book Prizer 2005.


Bjux,




Especial dia das crianças


★★★

Quando eu tiver um filho ou uma filha, além de amor, minha maior preocupação será em educá-lo, mas educá-lo bem. Para respeitar não só a mim, mas a todos ao seu redor, mesmo quando não for presenteado com a reciprocidade. 

- "Mas todo mundo sabe que é de educação que uma criança precisa, Di!"

Claro, todo mundo sabe. Mas nem todo mundo parece se preocupar. Tem gente que anda tão ocupado, sempre correndo, que esquece que ser presente na vida de uma criança faz parte do processo de educar. E olhando para o lado, vendo a rotina dos filhos de amigos meus, até mesmo de conhecidos, busco sempre encontrar o que levar de exemplo, e o que não levar comigo no processo de me educar,  para então educar aquela que venha a ser minha criança. 

Quero que ela veja o que existe ao redor dela; quero que entenda o que é pertinente ou não fazer. Quero que saiba que a gente vive num mundo machista e preconceituoso - e irei explicar com cuidado e carinho o significado dessas palavras. Ela vai saber que o mundo onde vivemos é de uma hipocrisia tamanha, mas que sempre há quem apareça para fazer a diferença; eu vou dizer a ela que fazer a diferença é uma das coisas mais bonitas da vida, e que ela poderá conhecer tamanha beleza. Vou dizer que ela tem escolhas e não vou tirar esse direito na maioria das vezes, que me preocuparei em jamais impor minhas vontades, mas que algumas intervenções serão necessárias.

A criança que me acompanhar nessa vida saberá que prezo muito pelo diálogo, e que mesmo quando os dias forem cheios demais, buscarei pelo menos cinco minutos para saber deles e ouvir o que eles tem a dizer ou reclamar - porque uma criança pode não ter conta para pagar, coisas a resolver, mas eles tem problemas sim. Qualquer coisa que o incomode é um problema. E quero que ele me conte para que possamos resolver juntos e ele finalmente, num dado momento possa saber que pode se virar sozinho. 

A criança vai escutar todo o tipo de música que desejar. Eu quero mostrar para ela tudo o que existe ao nosso redor, na medida do possível. Mas também vou falara para ela o significado de agressão, para poder deixar claro também que existem algumas músicas que são capazes de agredir o outro com seu conteúdo grosseiro, e palavras violentas. Não vou impedir de escutá-las porque elas estão em todo lugar. Mas quero despertar nela a consciência do que aquilo representa. Porque a gente só consegue lutar com garra quando adquirimos consciência do que estamos fazendo e por que. 

Eu vou deixar que ela saiba o que é cigarro, o que é uma bebida alcoólica, e vou dizer o que elas são capazes de fazer - desde os problemas relacionados à saúde, até a sensação de prazer momentâneo que elas podem dar. Vou deixar que ela conheça através de mim. Eu prefiro que seja assim. Eu quero falar para ela, quero mostrá-la. E se ela quiser experimentar eu quero que faça na minha presença também. Quero que cheguemos a uma conclusão do que fazer ou não fazer, ou do que é bom ou não é juntos, e não que ela conheça as possíveis sensações por influência de outras pessoas.

E por falar em influências vou dizer que não se deixe influenciar, que não se renda às influencias (as boas e as ruins), mas aos próprios desejos, quando eles simplesmente não fizerem mal para si ou para o outro. Mas vou dizer também que é preciso ter humildade para ouvir conselhos e pensar com carinho se deve segui-los ou não. Acima de tudo quero que ela seja fiel a quem realmente é.

Minha pequena vai aprender sobre as diversas manifestações de arte que eu puder ensinar - por isso tento aprender o máximo de coisas possíveis. E vão saber o real motivo de não poder ver um filme que eles tanto querem, por exemplo. Vou ter o mais prazer em dizer que não é o momento ainda, que enquanto ele não estiver preparado para entender certas coisas - e fazê-los entender certas coisas é um fazer constante - não será possível assistir àquilo. Eu penso que é preciso construir caminhos para finalmente conhecer a grande novidade. E se essa obra não está pronta, não há porque explorar as imediações. Quero deixar que ela me mostre quando estiver preparada.

Minha criança vai saber que pessoas se relacionam entre si, que homens podem tanto se relacionar com mulheres, quanto com outros homens; e mulheres podem também se relacionar com outras mulheres. Porque se existe algo que a gente não tem é uma formula para dominar o desejo que acontece, não vem por excolha. Vou deixar claro para ela, que ainda que venha a ter um pensamento diferente do meu é um direito dela, mas também um dever respeitar o que o outro pensa, o que outro quer, o que o outro sente. 

Vou pedir, que ao invés de rir do outro, ria de si mesmo pela grande estupidez. E então, nesse momento,  busque olhar-se no espelho para perceber o que realmente está fazendo, o quão feio tal atitude pode ser. 

Vou dizer a ela que chore. Que sinta raiva, que se permita ficar triste. Vou dizer que fale palavrão, mas que respeite quem está ao lado. Normal dizer uma palavra feia, mais normal ainda saber que ela é tão feia que é melhor não ser pronunciada. Mas ninguém é perfeito e vai ser uma das coisas que vou fazer questão de lembrá-la sempre. Porque eu quero também que por entender que não é perfeita, não se ache melhor do que ninguém - nem pior também. Vou dizer que ela poderá ter seu coração partido em mil pedaços, mas que terá o tempo que precisar para se recuperar e que isso pode demorar ou não.

Há muitas coisas guardadas que eu gostaria de dizer. Por isso, estou numa busca constante por perguntas para que eu possa responder quando chegar a hora. Quero conhecer o máximo de coisas que eu puder, para que eu possa, então, mostrar. Estou todos os dias tentando me educar como pessoa,  para que eu possa me libertar de vez de todos os conceitos equivocados que tive ao longo de minha vida até aqui. 

Quando eu tiver uma filho ou uma filha ou simplesmente uma criança vou dizer a ela que não importa o que digam, uma das coisas mais importantes pelas quais devemos lutar é pela nossa liberdade, seja ela de escolha, expressão ou pensamento. Mas que a gente precisa ser livre sem ameaçar a liberdade alheia; a gente precisa lutar por nossa liberdade sem aprisionar o outro. 

Um dos melhores presentes que uma criança pode ganhar enquanto o tempo passa é uma educação digna. Portanto, eduque-se.

XOXO,




Gustavo Ávila é o autor; O sorriso da Hiena é seu primeiro "trabalho" e já teve os direitos comprados pela Rede Globo de Televisão. O livro ficou conhecido em 2015, quando lançado de forma independente. E de maneira independente conquistou os leitores de todo o país. Até chegar no Grupo Editorial Record, pelo selo "Verus Editora".


★★★

Inicialmente lançado de forma independente, o livro de estréia do autor Gustavo Ávila alcançou sucesso rapidamente e merecidamente. Logo após seu lançamento não faltaram elogios empolgados, amedrontados, horrorizados, mas todos sinceros sobre o que foi lido nesse texto que aborda a questão ética e psicológica do ser humano. Até onde você vai para conseguir o que quer? Haveria alguma justificativa para um ato de maldade?

SOBRE O LIVRO:  

Davi assistiu à morte dos pais quando tinha apenas 8 anos de idade. O ato violento despertou nele um sentimento de ódio e vingança, que ele alimenta até hoje assassinando pessoas na presença de uma criança, como lhe aconteceu no passado. Tudo está muito bem arquitetado na mente do jovem: ele vai envolver o famoso psicólogo William, profissional muito bem sucedido na carreira, convidado a cuidar de crianças traumatizadas por causa dos assassinatos constantes que estão acontecendo na cidade. Quando o assassino envia um e-mail para o psicólogo, com um discurso insano e uma proposta absurda, ele se vê tentado a não ceder à oferta, que se for aceita pode acarretar no desfecho dessa história, mas que também pode ser resposta para a pesquisa que faz há anos na área de psicologia. Mas David é esperto, William não vai conseguir se livrar dele tão facilmente. Será que às vésperas de se casar o psicólogo vai querer abrir mão do que lhe foi ofertado, quando isso lhe traria o tão esperado sucesso e destaque na sua carreira? Será que valeria a pena continuar com a pesquisa, quando isso custaria a vida de mais e mais pessoas?

POR QUE LER O SORRISO DA HIENA 1

A resposta para essa pergunta é bem óbvia: porque a história é realmente muito boa. Quem me conhece e já é acostumado a ler minhas postagens sobre as leituras que faço, sabe que eu não meço esforços para dizer que não gostei de um livro ou quando realmente gostei. Portanto, é com extrema sinceridade que eu digo o quanto o enredo e a premissa dessa história são ótimos e podem facilmente tomar sua atenção. 


POR QUE LER O SORRISO DA HIENA 2

O livro é nacional, com personagens brasileiros, com um cenário muito bem construído e um texto excelente. A crítica ao sistema não passa despercebida. A questão ética do ser humano, a ganancia e o egoísmo também. A narrativa lhe envolve e a cada acontecimento lhe permite questionar, problematizar e mais tarde refletir sobre tudo o que foi lido. "Por que? Como? Será...?" são perguntas constantes que o leitor pode fazer durante a leitura. E a tomada da consciência existe a partir de perguntas como essas.

POR QUE LER O SORRISO DA HIENA 3

Originalidade é uma característica da história. Não é somente um romance policial, é uma voz gritando os problemas do nosso país e as falhas nas resoluções dos problemas.

POR QUE LER O SORRISO DA HIENA 4

Se você gosta de ler o grande mestre Stephen King e seu terror psicológico...; 
Se você gosta dos diálogos inteligentes e suspense de Harlan Coben...;
Se você gosta e se assusta com os absurdos e a brutalidade dos personagens de Raphael Montes...

... com certeza vai gostar também de O Sorriso da Hiena.

POR QUE LER O SORRISO DA HIENA 5

Teve os direitos comprados pela rede globo de televisão, o que quer dizer, que, em breve, você vai poder ver e ouvir a história sendo contracenada por grandes atores globais, e observá-la de outro ângulo. 


O Sorriso da Hiena foi relançado este ano pela editora Verus, que manteve a capa original, mexendo em alguns poucos detalhes da arte. O que posso dizer ser um ponto muito positivo, pois melhorou e destacou o que já era muito bom. No entanto, a Editora perde para a edição independente no quesito diagramação. Não está legal! As impressões das páginas são muito fortes (o que já é uma marca da editora) e o tipo de folha também não é agradável. No mais, o conteúdo é o mesmo e merece muito ser apreciado.

XOXO,



I Love Mimos! I Love "Tsum Tsum"!



Apaixonado por mimos e coisas fofas que sou, virei fã do Tsum Tsum assim que chegaram ao Brasil. Vi, me encantei, foi amor à primeira vista. O meu preferido é Alice (novidade!), mas tenho também a gatinha Marrie e compraria todos os outros personagens. Mas nem só de pelúcia vivemos, né non? Há outras coisas muito fofas dessas lindezas da Disney, que nós podemos aproveitar e levar para ou dar de presente a alguém especial.

Recentemente, encontrei na Riachuelo uma linha fofa só de produtos com a marca Tsum Tsum. Tem  Squeeze (que não comprei por motivos de: tenho muitas em casa), necessaire, cadernos estilo moleskine e pregadores. 


Eu, como não sou bobo nem nada, comprei o caderninho. Assim como a Squeeze, reconheço que tenho muitos e ainda não usei todo. No entanto, caderno nunca é demais, principalmente para quem estuda, gosta de escrever poemas, contos, e quem tem blog e quer planejas conteúdos, lembrar das leituras e resenhas atrasadas. Gostaram? Eu estou In Love

Comprei também o Kit de pregadores, como vocês podem ver na imagem cima. Vem numa embalagem transparente, e alguns pregadores tem a parte da frente do personagem e outros, a parte traseira. Ficam ótimos para enfeitar, tirar fotos, e até marcar coisinhas mesmo - só não livros porque como é de madeira pode machucar as páginas. 


E o que me dizem dessa caixinha para guardar meus óculos? Quem resiste? Você? Porque eu não. Tanto que fui lá e garanti a minha. É barata e tem qualidade. O material é ótimo, bem resistente. Foi R$ 20,00 e a minha satisfação. Sem arrependimento!

Em Números:

Caderno: R$ 19,90
Caixa para óculos: R$ 19,99
Pregadores decorativos:R$ 12,50

Esses produtos são vendidos nas lojas Riachuelo, vocês podem encontrar os mesmos produtos com personagens diferentes. 

XOXO,