Olá! Hoje é segunda-feira, dia em que tudo começa outra vez, então que tenhamos um recomeço lindo, de luz e cheio de novidades. A minha novidade para vocês está aqui em formato de livro (coisa que a gente ama muito forte, não é?).

No primeiro dia desse ano eu coloquei uma palavra que definiria todo o ano de 2017 para mim: NOVIDADE. Eu decidi que encararia o novo sempre que possível e fosse interessante. Seria um ano de arriscar e conhecer o novo. Me sinto orgulhoso de dizer que até aqui eu consegui e não me arrependi: conheci coisas muito boas, pessoas novas e interessantes, e estilos novos de leitura que me surpreenderam.

E por que falei de novidade para falar de TORAN? Simples. Há pouco tempo, diria que há um ano, talvez a proposta de ler esse livro não me fosse interessante, pois sairia da minha zona de conforto. O que não acontece agora. Quando recebi a proposta de ler esse livro, pelo autor, logo pesquisei e descobri um trabalho muito bonito e digno de ser apreciado. Principalmente porque são raros os livros que trata da vida animal, da luta pelas quais eles passam para sobreviver nas florestas.

Outro ponto que me deixou intrigado e com muita vontade de ler Toran é o simples fato de ter uma história que se preocupa em conscientizar o leitor sobre a importância do cuidado com a natureza e traz também um pouco da cultura indígena. Estamos diante de uma narrativa que dá voz aos animais e de alguma forma à natureza também. 
Toran: o destino de Taga e a América Selvagem", de Marcelo Pereiro, foi lançado esse ano pelo Grupo Editorial Scortecci.
 ★ O AUTOR: 

Marcelo Pereira é um jovem iniciante no mercado literário e é apaixonado pela vida selvagem. Formado em Administração, com alguns cursos linguísticos acabou se interessando e entrando na área da escrita. Marcelo é Paulista, morador da cidade de Araraquara e compôs uma história que aborda em si a beleza da vida.

LINK PARA O INSTAGRAM 


SOBRE O LIVRO:

Toran era um refúgio para muitas espécies selvagens, como as dos grandes rebanhos de renas, carneiros e alces, que eram a base das presas para uma população de ursos-pardos, lobos e o grandioso puma, que saía das sombras da lua crescente para a caçada.

Para os Kenais havia quatro animais sagrados: o bisão, ou o búfalo, símbolo de abundância, pois sua carne alimentava o povo, seu couro fornecia vestuário e abrigo e os ossos, ferramentas de sobrevivência; a águia, o grande pássaro; o lobo, considerado mestre descobridor de trilhas (a estradado lobo era vermelha, a mais brilhante do céu). e o puma, ou cougar. 

Taga, um jovem Kenai, recebeu uma nova oportunidade para estabelecer a união de sua tribo com os carnívoros, os lobos e os leões da montanha, para juntos formarem os sobreviventes da América selvagem.

Venha descobrir a vida secreta de cada animal das florestas do Norte, através de uma história mística e emocionante, abordando a lei da sobrevivência na vida selvagem. 

★ Fica a dica e um Beijo meu.
Até a próxima!



14 comentários:

  1. Oi, Di!
    O livro também não faz muito meu estilo, mas depois de seus comentários fiquei com vontade de ler.
    Desejo muito sucesso ao autor e a obra.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe das promoções em andamento e ganhe prêmios maravilhosos

    ResponderExcluir
  2. Oi Diih
    Não conhecia o livro e o autor, mas gostei da proposta do livro e das reflexões que ele nos traz.
    É muito bom se lançar no novo e ter novas experiências, e achei curioso o fato de trazer presente a natureza com voz e os animais. Curti a premissa do livro.

    Beijinhos
    https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oii
    Você está certíssimo em querer conhecer coisas novas!!
    Tenho que ser mais assim também..
    O livro parece incrível!

    beijos
    www.ooutroladodaraposa.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi, meu rei

    Queria ter essa "coragem" de encarar gêneros novos, aqueles mais distantes do que eu costumo ler, sabe? Mas como eu não consigo abandonar livros é bem difícil quando não curto a história.
    Toran parece-me interessantíssimo, principalmente por esse lance de conscientização, mas não me atrai muito, infelizmente.


    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Dih, eu tb tentei esse ano sair um pouco da minha zona de conforto e ler coisas novas, a proposta do livro é realmente diferente do que estou acostumada a ler. Espero que seja uma boa leitura!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  6. Nem de longe seria um livro que eu colocaria na minha estante, mas confesso que achei muito interessante o jogo do lance dos animais. Bem, vou ver, quem sabe não aparece em alguma cesta de Natal de fim de ano aqui em casa :D

    ResponderExcluir
  7. Uau, que bacana! É sempre importante conhecermos mais sobre o mundo que vivemos. E sobre o mundo natural não deveria ser diferente! Essa leitura me parece valer muito a pena! Ainda com o bônus de conhecermos um pouco da cultura nativo americana!

    OBS: Adorei seu jeito de escrever como se fosse um bate-papo entre amigos. Senti como se fosse uma indicação de alguém que já conheço. rs

    Sucesso aí!
    Karen Andrade do blog Capítulo 1

    ResponderExcluir
  8. Oi Diego. É bom fugirmos da nossa zona de conforto, não é?! Adorei a premissa do livro, por ser algo inédito para mim. Apesar de ja ter lido livros que falem de safaris, por exemplo, nunca li algo parecido com que o autor tras. Amei a capa, tão linda! Adorei o post, beijos.
    https://almde50tons.wordpress.com

    ResponderExcluir
  9. Nossa, que interessante esse livro! Me pareceu, pela sua descrição, uma espécie de romance de formação centrado num jovem de um grupo ou povo da América ancestral. Mas tive um pouco de dificuldade para saber se era isso mesmo... Entendi direito a "sinopse" fugidia do livro?
    Abraços!!! :) /
    https://teofilotostes.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  10. Oiie,
    Achei o livro bastante interessante, eu gosto do gênero e eu sinceramente gostei bastante dessa capa dele,é um livro que eu com certeza iria ler para mim o autor do livro ta de parabéns!.

    ResponderExcluir
  11. Olá,
    Confesso também que esse estilo de livro não é do meu gosto. Rsrsrs.. mas lendo a sua resenha fiquei até interessada de ler. Gostei muito do seu post!

    ResponderExcluir
  12. É essencial que a gente busque novas formas de expandir os horizontes pra ter um bom repertório e conhecer novas literaturas mundo afora. Esse livro parece bem interessante e me lembrou muito alguns lançamentos recentes, tipo Araruama e Só os animais salvam. :)

    ResponderExcluir
  13. Oi, Diego.
    Este livro apresenta uma premissa bem diferente dos que costumo ler, mas provavelmente vou querer conhecer a história, visto que gosto de leituras diferentes.
    A proposta da obra é incrível e espero que ela consiga tocar o leitor com essa mensagem.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Uma das minhas metas esse ano também era dar chance a coisas - em especial livros - para as quais eu não teria nem olhado duas vezes antes, só que infelizmente eu falhei miseravelmente e esse deve ter sido um dos anos em que menos li na minha vida. hahah
    Eu também acho que nunca teria me interessado por esse livro, mas a sua introdução mexeu comigo hahah, eu pensei o tanto que eu realmente não mudei nada esse ano todo nesse ponto. E no fim, o livro parece ser interessante, eu preciso abrir mais meus horizontes.

    (Fiquei um tempão sem acessar seu blog, e agora to tentando me atualizar nas suas indicações hahah)

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"