Olá! 

Dizem que King é o mestre do terror, eu concordo. Mas concordo também que o autor é competente no que se refere a fazer o leitor questionar atitudes e escolhas, bem como sabe como escrever, além do sobrenatural, um terror psicológico como ninguém. Há sempre uma realidade muito crua  e "perturbadora" nos seus textos. Talvez a faceta de tocar a ferida do leitor  na questão ética e do caráter humano seja o monstro mais assustador criado por King e aqui está uma grande metáfora dele: CUJO.

Cujo é um são-bernardo que vive numa zona afastada da cidade, com Joe e sua família. Joe é um mecânico conhecido pelo bom trabalho que faz, mas não é muito gentil com seus familiares e vive uma vida cinzenta ao lado da esposa e do filho. É ele que concerta o carro de Vic, um homem trabalhador, que acaba de fundar uma empresa de publicidade na cidade de Castle Rock onde vive com a esposa, Donna, e o filho, Ted. O casal Vic e Donna Treton representa o modelo de família feliz, livre das desavenças e cheios de amor.  Até que as coisas começam a desandar quando a mulher se envolve numa relação com Steve Kemp, um homem extremamente grosseiro e maldoso. A vida desses personagens vão se cruzar em algum momento e entre fantasmas do passado (que pode ser um famoso assassino chamado Frank Dodd, o qual Ted Trenton morre de medo) e sentimentos de culpa e angústia Donna terá que enfrentar um dos maiores pesadelos de sua vida ao lado do filho porque o manso são-bernardo adquiriu uma raiva maligna e não vai deixar escapar fácil quem estiver ao seu redor. 
O morcego se encolheu e mordeu Cujo, rasgando a pele sensível do focinho em um corte longo e curvo, no formato de um ponto de interrogação. Um instante depois, moribundo, o morcego saiu voando aos trancos e barrancos para o fundo da caverna  calcária. O estrago, porém, já estava feito: a mordida de um animal raivoso é mais grave perto da cabeça. porque a raiva é uma doença que afeta o sistema nervoso central (...) E Cujo jamais fora vacinado contra a raiva. 
Cujo foi escrito em 1981, é um dos grandes sucesso de Stephen King e conta também com  uma adaptação para o cinema. O livro foi relançado no Brasil pela Editora Suma de Letras numa edição especial de capa dura, e uma entrevista com o autor no final. A narrativa conta com histórias secundárias, que inicialmente podem parecer não fazer tanto sentido, mas que no decorrer da leitura você percebe o quanto foram importantes. Num dado momento essas histórias se cruzam e o leitor percebe que detalhes mínimos fizeram a diferença e não estão ali de enfeite. Nós temos a história de duas famílias: uma que parece partida e a outra inteira. E temos também uma relação extraconjugal, as insatisfações, o egoísmo. Além do monstro do armário. E todas elas muito bem apresentadas no texto. Todas as situações fadadas a virar uma bola de neve e todas elas de alguma forma falam sobre a liberdade de suas escolhas e as consequências delas.

Por exemplo, uma relação extraconjugal só existe se a escolha for de ambas as partes na maioria das vezes. Donna estava ciente do que aquela escolha poderia causar na sua vida e na vida da família, mas mesmo assim seguiu em frente. Quando decidiu fazer diferente o problema monstruoso já estava causando estragos. Quando o marido descobre e sai de casa, a mulher tem problema com o carro e isso é mais um problema que a leva à casa do mecânico onde está Cujo, o grande "fantasma" materializado no cão são-bernardo, que pode ser a representação do monstro do armário, tão temido por Tad.

A linguagem muitas vezes escrachada de King e o sarcasmo que existe nas suas narrativas também está presente aqui, se misturando com a tensão da trama que não acontece de imediato. O inicio da narrativa é bem parada e pode até ser desinteressante para algumas pessoas. Mas acreditem, ela melhora consideravelmente. Os detalhes em excesso colocados no decorrer da narrativa nos aproximam muito da história e funcionam como pontes que nos leva a fazer um passeio pelas histórias, até que possamos estar mais envolvidos do que possamos imaginar.

Se você espera um livro assustador, com criaturas e seus poderes sobrenaturais, saiba que esse não é Cujo. Aqui o terror é psicológico, faz uma crítica às escolhas, ao egoísmo humano, e aos problemas que podem se transformar em monstros aterrorizantes. 

|A adaptação de Cujo para o cinema foi lançada em 1984 e foi dirigida por Lewis Teague. Sobre o filme eu poderia dizer que é um resumo bem feito do livro, que comumente nos apresenta mais informações sobre a história. Eu assisti e fiquei satisfeito. Levando em conta o ano em que foi lançado e a tecnologia da época, achei um filme bem feito.

Bjão,






7 comentários:

  1. Oi, Di!
    Essa edição é meu sonho de consumo. Linda demais!
    Adoro como o King manipula esse terror psicológico.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Olá, Diego.
    Esse livro foi escrito no ano que nasci hehe. Apesar de já ter lido vários livros do autor, eu não gostei da maioria. Acho que sempre fico esperando um sobrenatural e tremer de medo e acaba que a pegada é mais psicológica. Não sei se leria esse livro apesar da edição está muito bontia.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  3. Oi Diego! Li faz pouco tempo e foi um dos livros mais angustiantes do autor que conferi. Eu não sou muito chegada em cachorros e senti tanto pavor do Cujo que acho que jamais vou cogitar ter um em casa. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  4. Oi Di!! Adoro sarcasmo em livros! Não li Cujo, mas gostei de saber que apesar de parado no início a leitura é boa! Amei sua resenha e sua foto tb <3

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Não li Cujo, na verdade li apenas dois livros do autor, O Iluminado e Doutor Sono, e estou com It aqui para (tentar) ler antes do filme, acho a escrita do autor incrível, gosto dele ser mais desbocado e irônico, e o jeito como ele retrata seus personagens que sempre estão na conhecida "gray area" é incrível, o modo como ele apresenta problemas corriqueiros e aborda apsique humana também é muito boa.
    Vou tentar ler muitos livros dele ainda por aí, e com certeza uma hora eu chego em Cujo.
    xoxo

    ResponderExcluir
  6. Oi, Diego!
    Ler algo do King tá na minha meta de vida, haha
    Arrasou na resenha.
    E na foto <3

    Sankas Books
    Beijinhos :*

    ResponderExcluir
  7. Oiii

    Eu primeiro tomei conhecimento do filme através de uma referência da série Friends. Só depois de um tempo é que eu fui descobrir a existência do livro haha
    Acredito que o livro deva ser muito bom, devido ao seu autor.. Não sei se eu leria porque esse gênero é meio complicado pra mim.. Mas eu não digo nunca para nenhum tipo de livro, então...
    hahahaha

    beijos!

    http://www.ooutroladodaraposa.com.br/

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"